mantenha-se atualizado

Cadastre seu email para receber insights sobre estratégias digitais. Prometemos não enviar spam!


Cadastre seu email para receber insights sobre estratégias digitais. Prometemos não enviar spam!

RD Summit 2016: neuromarketing e consumo

na categoria Inovação Marketing Digital 0 comentários
neuromarketing

Marcas se relacionam com pessoas criando momentos memoráveis, gerando emoções. Quais sensações e emoções sua empresa está despertando nas pessoas? O que você tem feito para ser lembrado pelos consumidores? Essas foram algumas das provocações feitas pelo especialista Fernando Kimura, na palestra Neuromarketing: compreendendo o inconsciente do consumo, no RD Summit 2016.

Kimura destacou a importância de entender o consumidor e o funcionamento do cérebro para planejar e executar ações de marketing que tenham forte impacto no público. Para quem perdeu a palestra – pois estava em alguma outra entre as dezenas de ótimas opções do evento – ou para quem não pôde participar do RD Summit 2016, fizemos um breve resumo com insights para ganhar a atenção e o coração dos consumidores:

1. Memórias são criadas por emoção ou por repetição

Emoções fazem com que nosso cérebro se lembre com mais facilidade das coisas. A maioria das pessoas tem a memória, por exemplo, do que estava fazendo no fatídico 11 de setembro, quando as torres gêmeas foram atacadas. Foi um evento que causou fortes emoções em todo o planeta. Com as marcas, a lógica é a mesma: se a comunicação causar fortes emoções (preferencialmente positivas), a marca será muito mais facilmente lembrada pelas pessoas.

A segunda forma de criar memórias é a repetição. Kimura deu dois exemplos da publicidade brasileira. Nas palavras do palestrante: “faz sentido a gente saber de cor os ingredientes do Big Mac?! Não faz”. Mas sabemos por repetição. E ele fez a plateia cantar: “Dois hambúrgueres, alface, queijo, molho especial, cebola, picles num pão com gergelim”. O segundo exemplo é mais recente: “Pi-ra-can-ju-ba”.

2. Sobrevivência e reprodução são as forças motrizes do cérebro

Kimura explicou que as mensagens das marcas relacionadas aos instintos de sobrevivência e reprodução tocam mais o consumidor. Ao vender o seu produto, explique para seu potencial cliente por que sua solução é essencial para a sobrevivência dele no mercado e para que ele possa se perpetuar. Diga que ele precisa de você para continuar vivo no mundo dos negócios.

3. O cérebro busca padrões pré-determinados. Quebre essa lógica

Uma forma de o corpo humano de economizar energia é seguindo padrões pré-determinados. É como se em diversos momentos do dia a pessoa ligasse um piloto automático, sem precisar pensar e refletir muito sobre atividades que faz com frequência. Por isso, para chamar a atenção, é preciso quebrar padrões.

Kimura citou o exemplo de Lady Gaga, que em 2010 usou um vestido de carne crua em uma premiação da MTV. Se tivesse usado algo convencional, teria passado despercebida.

4. Cérebro racional X cérebro irracional

O cérebro racional é responsável por decisões de longo prazo. Ele está associado à leitura, à escrita e à fala. Já o cérebro irracional busca recompensa imediata. Quanto mais informação você dá a uma pessoa, mais próximo você está do racional e mais distante do irracional.

Veja o exemplo: se você vai a diferentes lojas em busca de colchões e cada uma delas lhe oferece diferentes listas das vantagens de comprar naquele estabelecimento, você provavelmente vai comparar as opções e analisar racionalmente. Se você vai a uma loja e o vendedor lhe proporciona a experiência de deitar, de sentir o colchão, provavelmente você ficará muito mais propenso a comprar. O que mais importa é a experiência agradável que você teve, você não precisou de informações e argumentos racionais sobre as qualidades da loja ou do produto.

5. Egoísta, visual, emocional

Kimura elencou algumas das características do cérebro irracional. A primeira delas é o egoísmo. Nós, seres humanos, em geral pensamos primeiro em nosso umbigo. Por isso a personalização da comunicação ajuda na venda. As pessoas gostam de exclusividade, de se sentir especiais, únicas.

Outro ponto importante: o cérebro valoriza imagens. Comparações de antes e depois são eficientes.

O palestrante falou também sobre os motivos pelos quais as pessoas compram: inclusão, conquista, emoção, necessidade, desejo, status, prazer, inveja e experiência. Motivações, em sua maioria, ligadas a emoções.

O futuro do marketing

Finalizando a palestra, Kimura sentenciou: o marketing do futuro é das empresas que provocarem emoções nas pessoas.

Sua empresa causa emoções? Sua comunicação é clara na mensagem que quer passar? Faça a reflexão.

 

cta-e-book-101-dicas-rapidas-para-um-marketing-digital-de-resultados

Deixe um comentário

mantenha-se atualizado

Cadastre seu email para receber insights sobre estratégias digitais. Prometemos não enviar spam!


Cadastre seu email para receber insights sobre estratégias digitais. Prometemos não enviar spam!