Marketing para e-commerce: use micro-momentos para vender mais

|

Marketing para e-commerce: use micro-momentos para vender mais

Já faz alguns anos que as empresas têm apostado no e-commerce como uma alternativa lucrativa e menos trabalhosa de fazer o comércio de seus produtos. E se depender das projeções do instituto de pesquisa americano Forrester, em pesquisa encomendada pelo Google, o comércio eletrônico no Brasil deve registrar aumentos significativos e quase duplicar a sua fatia no mercado de varejo até 2021. A previsão é de um crescimento médio de 12,4% por ano e, consequentemente, que o faturamento anual chegue a R$ 84,7 bilhões em 2021.

A pesquisa é especialmente otimista para setores que ainda estão em desenvolvimento na utilização do e-commerce, como é o caso das roupas, calçados, beleza e itens alimentícios. Nessas áreas as compras deixarão de ser 11% do total adquirido na internet para chegar a 25% do montante. Ramos mais consolidados, no entanto, como eletrônicos e livros, deverão seguir na liderança das compras online.

A sua empresa já está inserida neste cenário?

 

A importância dos micro-momentos

 

Imagine a cena: você está saindo do trabalho e decide que quer assistir a um filme no cinema. Se você faz parte dos 80% dos brasileiros que buscam na internet informações sobre coisas que desejam fazer ou comprar, você provavelmente irá acessar no seu smartphone as páginas dos cinemas próximos, verificar os horários dos filmes e escolher o que é mais conveniente para você.

A situação parece tão cotidiana que possivelmente você perdeu o ponto principal dela: a escolha foi feita baseada em um micro-momento de decisão. E mais: o horário não foi o único critério para a definição de qual sessão seria a assistida – o site carregar rápido ou não, a facilidade para encontrar a informação, a atualização do conteúdo e o próprio layout foram fatores decisivos.

Em outras 85 oportunidades diárias, em média, nas quais os brasileiros olham para o smartphone, são repletos de momentos exatamente como esses.

Segundo pesquisas recentes do Google, a internet mudou o comportamento do consumidor de forma definitiva e hoje as decisões de compra são baseadas em micro-momentos, ou seja, “minúsculos momentos de intenção, de tomada de decisão e formação de preferências que ocorrem durante a jornada do consumidor”.

 

Como trabalhar esses micro-momentos através do marketing para e-commerce?

 

Muitas empresas ainda não pensam suas estratégias de marketing para e-commerce com base em micro-momentos, mas deveriam começar a considerar essa possibilidade. O fato é que as pessoas têm se voltado cada vez mais para a rede para obter informações. Por exemplo:

94% dos usuários de smartphone procuram por informações enquanto realizam alguma tarefa. “Como consertar um motor do carro?”, “Receita de pudim de leite”;
69% dos usuários acessam o smartphone em meio a uma conversa para obter mais informações sobre algo que foi falado. “Horário do cinema”, “Coleção plus-size da loja Y”;
82% dos usuários pesquisam em um mecanismo de busca para encontrar lojas próximas de onde estão. “Supermercados mais próximos de mim”; “Loja de ferramentas no bairro X”;
80% dos usuários deixam que as informações em seus smartphones influenciem suas decisões de compra em lojas físicas. “Preço de sofá”, “Comparação de modelos de computadores”, etc.;
1 em cada 3 consumidores prefere consultar seu smartphone a um atendente da loja.

Pensando nesses números e após diversas pesquisas, o Google desenhou quatro micro-momentos essenciais para a compreensão dos donos de e-commerce.

 

“EU QUERO SABER”

É quando estamos em busca de informações para aprender, fazer, descobrir ou comprar algo. São desde pesquisas mais amplas até as bem específicas que fazemos principalmente nas ferramentas de busca como o Google e o Bing.

O que a sua empresa pode fazer: produzir conteúdo de qualidade para os diversos estágios da jornada de compra da sua persona e garantir que eles estejam de acordo com os critérios de SEO e responsivos.

Ao responder a pergunta que o seu cliente quer saber, no momento exato que ele deseja a resposta, é uma excelente maneira de ganhar autoridade de marca e influenciar a compra.

 

“EU QUERO IR”

Neste momento, o grande desejo do usuário é encontrar o endereço de um determinado local, saber qual local é mais próximo ou a melhor rota para chegar a algum lugar. É uma questão de localização.

O que a sua empresa pode fazer: garantir que seu negócio esteja com o endereço atualizado no Google Business e tenha informações como bairro, locais de frete e mapas associados.

 

“EU QUERO COMPRAR”

Essencial para o marketing para e-commerce, esse micro-momento está associado a uma intenção de compra clara. O usuário faz buscas por nomes de produtos, associado a preços ou melhores opções. E é justamente aqui que você pode fazer a grande diferença.

O que a sua empresa pode fazer: investir em campanhas de mídia paga no Google Ads focando nessas palavras-chave, criar conteúdos de comparação de produtos, otimizar todas as páginas e meta descrições do seu e-commerce.

 

“EU QUERO FAZER”

Esse tipo de micro-momento é mais acessado em formato de vídeo, de acordo com o Google. São os formatos de vídeos tutoriais que ensinam o usuário a fazer uma determinada tarefa, como uma receita, um conserto de um eletrodoméstico, um jardim dentro de casa.

O que a sua empresa pode fazer: investir em vídeos no YouTube otimizados e com boas técnicas de SEO para garantir um acesso orgânico interessante. É importante que seus vídeos sejam verbalmente explicativos (nem sempre as pessoas estão olhando ao fazer a tarefa), rápidos e leves para serem mais facilmente carregados em aparelhos mobile. Você também pode criar pequenos conteúdos explicando essas tarefas e associar ao vídeo. Assim terá duas formas de acesso orgânico.

Esses quatro micro-momentos podem orientar as mais diversas estratégias de marketing para e-commerce – desde a produção de conteúdo, passando por campanhas de e-mail marketing e links patrocinados. Além de ser fundamental para pensar uma experiência do usuário mais adequada em cada momento e evitar abandono de carrinho.

 

Planejamento estratégico para o e-commerce

 

Desenvolver uma um planejamento estratégico não é fácil, e é muito comum vermos empresas das mais diversas áreas cometendo erros elementares, geralmente por desconhecimento de uma tática mais assertiva. Isso pode fazer com que todo o seu processo de venda seja prejudicado e que você demore muito mais para alcançar os resultados que deseja. Por isso listamos alguns dos erros mais comuns cometidos por empresas na internet: leia com atenção e veja se você não está cometendo nenhum deles.

 

Os 10 erros mais comuns de estratégias em e-commerce

 

1) Não ter um planejamento estratégico

 

Na verdade, esse é o erro primordial que acarreta em todos os outros: não fazer um plano que aborde seus objetivos – orçamento canalizado para o marketing digital, definição de quais canais você utilizará, táticas e linguagem utilizadas em cada canal, o conteúdo que você produzirá e outros aspectos – fará com que suas ações fiquem jogadas ao vento, sem uma direção certa e, consequentemente, sem resultados expressivos.

 

2) Não saber com quem você está falando

 

Se você precisa conhecer o seu público para oferecer um produto ou serviço, então também precisa saber quem ele é para se comunicar com ele. Esse pensamento é ainda mais importante nas redes sociais, onde a audiência tem mais controle sobre o que quer consumir. Então certifique-se de que você sabe quem é seu público-alvo, escolha os canais onde esse público está e defina uma linguagem adequada para se relacionar com ele.

 

3) Achar que é suficiente simplesmente replicar a estratégia offline

 

Não adianta achar que basta replicar um banner ou uma peça publicitária em seus canais online que você já está fazendo marketing digital. Marketing digital é muito mais do que isso. Na web, o foco está primeiramente no conteúdo que você gera para sua audiência, e só depois em fazer propaganda do produto ou serviço que você oferece.

 

4) Usar as redes sociais de maneira errada

 

É muito importante que você tenha canais nas redes sociais mais utilizadas pelo seu público-alvo, mas é preciso saber utilizá-los com estratégia. De nada vale uma página no Facebook, por exemplo, se você não faz postagens ou compartilhamentos relacionados ao seu mercado ou se deixa a página inutilizada. Além disso, tenha em mente que uma página institucional é bem diferente de um perfil pessoal. Você pode até gostar de imagens e vídeos fofinhos e engraçados, mas se eles não tiverem conexão com seu segmento, deixe-os de fora do perfil da sua empresa. Além disso, tome cuidado com as opiniões: mantenha as suas no seu perfil pessoal. No empresarial só vale dar opinião se ela estiver relacionada ao seu mercado.

 

5) Não utilizar o site e o blog para atrair o público

 

Ter perfis em redes sociais é muito importante para sua estratégia empresarial, mas isso não exclui a necessidade de a sua empresa ter um site e/ou blog. Isso porque esses canais dão um ar mais institucional à sua marca, e oferecem informações básicas sobre sua empresa ou produto. E se você já tem um site e/ou blog, certifique-se de que ele possui informações que seus potenciais clientes precisam para os primeiros contatos com a empresa e o produto, e que oferece aos usuários facilidade na hora de navegar e encontrar o conteúdo.

 

6) Não produzir conteúdo relevante

 

Se você já possui redes sociais, site/blog, faz postagens periódicas e mesmo assim não está vendo resultados, está na hora de pensar se o conteúdo que você está produzindo é relevante para seu público. Faça pesquisas, entreviste clientes e possíveis clientes, estude concorrentes, veja o que eles estão produzindo e faça ajustes na sua produção de conteúdo. Se não está produzindo conteúdo ainda, está na hora de repensar suas estratégias.

 

7) Não aproveitar o potencial das mídias pagas

 

Sabemos que uma das vantagens do marketing digital é o fato de ter um custo muito inferior ao marketing tradicional. Por isso, as mídias digitais pagas devem, sim, fazer parte do seu planejamento estratégico, já que podem te ajudar a ganhar relevância, principalmente em curto prazo, e aumentar consideravelmente a sua visibilidade. Então, não rejeite a ideia de fazer anúncios pagos no Google Ads, Facebook Ads etc.

 

8) Não dialogar com seu público

 

Diálogo é um dos pilares de qualquer relacionamento, principalmente entre a empresa e sua audiência. Aproveite as mídias sociais, elas são um canal mais instantâneo e que aproxima mais a empresa do público e estreita ainda mais as relações. Ouvir dúvidas, reclamações e sugestões deixará seus clientes e potenciais clientes felizes e também dará uma direção para a marca pensar nas mudanças e inovações necessárias para sua estratégia.

 

9) Acreditar que não precisa de um profissional para lidar com tudo isso

 

Quando estamos com um problema de saúde costumamos ir ao médico para que ele indique a melhor forma de tratarmos nosso problema, certo? Com o marketing digital não é diferente. Em vez de tentar resolver toda a sua estratégia sozinho, considere chamar um especialista no assunto para ajudar sua empresa e fazer esse trabalho com você.

Agora que você já sabe quais erros não deve cometer, acesse nosso conteúdo e confira dicas de como melhorar a performance em vendas online.

Cadastre seu e-mail para receber conteúdos