O que é marketing viral? Confira 5 bons exemplos

|

O que é marketing viral? Confira 5 bons exemplos

Viralizar é algo que se tornou parte do vocabulário da internet e especialmente das mídias sociais. Todos os dias, imagens, vídeos e textos cruzam longas distâncias em frações de segundo e fazem milhares de pessoas interagirem. Esse burburinho pode ser causado por animais fofos, gafes em meio a reportagens, campanhas de ONGs humanitárias e empresas. 

Isso mesmo, as marcas também podem se beneficiar da capacidade que a internet tem de fisgar o público e fazê-lo replicar uma mensagem até que ela alcance proporções inimagináveis. Seja pelo Facebook, e-mail, grupos de WhatsApp ou qualquer outra plataforma, os conteúdos virais estão cada vez mais comuns e mostrando a sua importância na área de marketing.

No entanto, esse tipo de modalidade ainda é visto com parcimônia e até desconfiança pelas empresas, pois não trazem resultados mensuráveis. Ela não se preocupa com a geração de leads, vendas ou aumento de pagamento social. Isso é uma consequência posterior de um marketing viral bem feito e que acerta exatamente o público. Ela trabalha com o ativo de marketing das empresas, ou seja, com o posicionamento e reconhecimento da marca.

 

Como criar uma campanha de marketing viral?

 

Criar uma campanha de marketing viral eficiente não é algo simples e, na grande maioria das vezes, não é algo que possa ser planejado. No entanto, existem alguns macetes que aumentam as chances de compartilhamento e engajamento do público com um conteúdo. Para ajudá-lo nisso, separamos algumas dicas para você fazer uma campanha de marketing viral eficiente. Confira abaixo:

 

7 dicas para fazer uma campanha de marketing viral eficiente:

 

1) Pense no formato

Não dificulte o acesso ao seu material. Vídeos, imagens e áudio são absorvidos com mais facilidade do que e-books, infográficos e planilhas. Isso não quer dizer que textos não possam se tornar virais. Eles podem, mas é mais difícil. As listas, por exemplo, costumam ter mais poder de compartilhamento que os textos corridos.

 

2) Abuse das emoções

Diversas pesquisas de neurociências apontam que as emoções são determinantes para que tomemos ações como comprar um produto ou compartilhar um conteúdo na internet. Por isso, peças que tragam à tona sentimentos e façam as pessoas se conectar têm mais chance de se tornar virais. No entanto, sentimentos negativos como raiva, tristeza, vergonha e nojo devem ser evitados, tanto por serem associados à sua marca quanto porque diminuem a capacidade de propagação.

Invista em temas provocativos, reflexivos, divertidos, de utilidade pública, nostálgicos, fofos e, principalmente, engraçados.

 

3) Mostre identidade

Copiar ou se basear em conteúdos que facilmente seriam ligados a outras marcas ou empresas não é uma ideia interessante. Pelo contrário. Desta maneira as chances de a sua campanha ser ridicularizada em vez de engajar o público são muito grandes.

Siga suas próprias ideias e resista à vontade de utilizar algo que já parece consolidado. As listas do Buzzfeed e animaizinhos fofos não combinam com todas as empresas.

 

4) Esqueça seu produto por um instante

O marketing viral não é o momento de fazer uma propaganda nua e crua. Dificilmente alguém irá compartilhar algo que fale apenas de um produto ou serviço. Como já diria Seth Godin, um dos gurus do marketing, “as pessoas compartilham algo sobre elas, não sobre você”.

Pense em contar histórias. Use a imaginação da sua equipe para criar uma experiência positiva que, ao final, deve ser associada a um produto ou apenas à sua marca.

 

5) Produza algo inesperado

Quando se é surpreendido, aumentam as chances de você comentar com alguém sobre aquele fato, ou seja, compartilhá-lo, não é mesmo? Isso pode acontecer ao fim de um filme, de um livro, um serviço em uma loja e, por que não, com uma campanha publicitária?

 

6) Foque em canais de massa

Não adianta nada dispor dinheiro e tempo em uma ação que será veiculada em um canal restrito, que poucos têm acesso. A capacidade de viralização deste conteúdo será muito menor. Neste momento é importante investir em meios de comunicação de massa, como televisão e redes sociais.

 

7) Promova esse conteúdo

Uma campanha de marketing viral eficiente é baseada na ideia de mídia espontânea, ou seja, no compartilhamento das pessoas sem grandes esforços da empresa que criou o material. Mas é importante lembrar que o buzz inicial é de responsabilidade da empresa.

 

5 exemplos de campanhas de marketing viral

 

Dove – Choose beautiful

A Dove tem trabalhado um branding voltado para um empresa que prega o empoderamento feminino e que trata de todos os tipos de beleza real. Uma dessas campanhas a “Choose Beautiful” promoveu uma ação em cinco países pelo mundo onde mulheres tinham de escolher entre a porta “Bonita” ou “Comum” para passarem. Segundo a CEO do Youtube, Susan Wojcicki, anúncios que mostram uma mensagem forte feminina têm duas vezes mais chances de não ser pulados. Ela também afirma que mulheres entre 18 e 34 anos têm até 80% mais chance de compartilhar ou curtir uma campanha que mostre empoderamento feminino.

 

Heineken – The cliché (Champions League)

A cervejaria holandesa Heineken fez um campanha recente que foi veiculada na UEFA Champions League, evento do qual é patrocinadora. Ao trabalhar um clichê de que homens tentam enganar as namoradas para poder assistir à final do campeonato, o desfecho surpreende quem assiste e por isso criou um buzz nas redes sociais. A peça teve mais de 4 milhões de visualizações em menos de 18 horas no Facebook e uma grande quantidade de comentários elogiosos, especialmente de mulheres que se sentiram representadas.

 

Nissan – Pôneis malditos

A música chiclete dos pôneis malditos foi uma febre em 2011. A montadora japonesa criou um jingle com bastante humor para comparar a sua nova picape com as da concorrência – ou a diferença entre uma picape com potência de cavalos e uma de pôneis. O resultado foi um crescimento de 81% nas vendas e alguns dias no Trending Topics do Twitter.

 

Arab Dairy Company – Never say no to panda

A marca egípcia de laticínios saiu do lugar comum de saúde para vender seus iogurtes e emplacou um viral que cruzou fronteiras geográficas. Mesmo não sendo vendido em grande parte do mundo, a história do panda que de bonzinho e fofo não tem nada foi um estrondoso sucesso.

 

AdCouncil USA – Love has no labels

A campanha do conselho de publicidade dos Estados Unidos tocou na questão do preconceito e conseguiu uma enxurrada de compartilhamentos e o fortalecimento de hashtags que são utilizadas até hoje: #LoveWins e #LoveHasNoLabels. A ideia da ação era mostrar casais que compartilhavam beijos e abraços atrás de uma tela de raio-x, em uma alusão clara à discriminação que permeia o dia a dia e à diversidade de amores.

 

Antes de iniciar um projeto desses, pense em quem é seu público-alvo, como ele se comporta e como ele será mais instigado por um conteúdo. Um teaser pode criar a comoção necessária para o momento de lançamento. Ou, talvez, patrocinar uma campanha no Facebook já é suficiente.

As principais ferramentas de bi

Cadastre seu e-mail para receber conteúdos